Nova Era e o Cinturão de Fótons

01-11-2015-01

O planeta está mudando. A energia do planeta está mudando. As pessoas estão mudando. Está percebendo?
A população da Terra está de olhos e coração mais abertos! Está reagindo às insatisfações políticas, econômicas, sociais e espirituais. Tudo está evoluindo! Mas, ao mesmo tempo, existe uma turbulência e uma grande confusão por aqui. E, por que isso aconteceu ‘do nada’? E só agora?

Na verdade, essa evolução não vem acontecendo do nada. Existe uma razão pra isso. E essa razão está marcada pela chegada da Era de Aquário, que se caracteriza por uma era de grande expansão da consciência e iluminação espiritual dos seres humanos. Na parte física do processo, a Era de Aquário é reconhecida a partir de uma grande névoa de luz, de radiação, a qual o planeta Terra passa a habitar: o chamado “Cinturão de Fótons”.

É um assunto cheio de detalhes, pra uma longa conversa, mas eu vou tentar explicar de um modo mais simples.

Fótons são as menores partículas de energia eletromagnética, por se tratarem da divisão ou decomposição de elétrons. Como já dito, o Cinturão de fótons é uma grande névoa de luz formada por esses fótons, existente no nosso imenso Universo. Os fótons, em contato conosco, afetam nossas células, nossos sistemas, nosso DNA, nossos chackras… tudo! Mas afeta de forma positiva. É luz entrando em nós!

Há uma estrela central no Cinturão de Fótons, a qual, em torno dela, gira o nosso sistema solar e outros sistemas. Essa estrela é gigante, muito maior que o nosso sol, e seu nome é Alcione. O Cinturão de Fótons, por sua vez, está localizado na Constelação das Plêiades, a 500 anos-luz da Terra. Complexo, né? Mas, basicamente e muito resumidamente, o processo que envolve o Cinturão e a evolução do planeta Terra para uma Nova Era trata-se da andada do nosso sistema solar até a região da “Luz”, onde nos tornaremos mais iluminados. Dá uma olhada na imagem:

01-11-2015-02

O nosso sol leva cerca de 26 mil anos para concluir uma órbita ao redor de Alcione. Dividindo essa órbita por 12, temos os períodos das Eras Astrológicas, que equivale a 2.160 anos cada. E cada Era têm suas características, de acordo com as energias e a localização do sistema na órbita:
• Era de Leão (10.302 a 8.142 a. C.) caracterizada pelo brilhantismo, pompa, primeiras manifestações de arte nas cavernas, e período que regia o glorioso continente da Atlântida.
• Na Era de Câncer (8.142 a 5.982 a. C.), o matriarcado e o culto à Deusa Mãe eram as principais características. A agricultura e o abandono da vida nômade também caracterizam esse período, onde os conhecimentos milenares da Índia, China e Egito começam a se destacar.
• O intelecto é o que definiu a Era de Gêmeos (5.982 a 3.822 a. C.). As descobertas da escrita e da roda impulsionaram o crescimento da humanidade, bem como as bebidas e fermentações de pães e as primeiras organizações políticas e escolares. Ah, e a fabricação de tintas e pigmentos começou aqui!
• Era de Touro (3.822 a 1.662 a. C.). Época dominada pela matéria, marcada pela construção da pirâmide de Quéops. Artes, música, ourivesaria foram fortemente desenvolvidas. O cobre foi muito utilizado nessa tempo.
• Era de Áries (1.662 a. C. a 498 d. C.). Era do ferro, elemento que rege o signo de Áries. As armas passam a ser aperfeiçoadas, e o ferro muito trabalhado. É a época da virilidade, do poder dos espartanos, da competitividade, das guerras e também das Olimpíadas.
• Era de Peixes (498 a ?). O Cristianismo e o sofrimento são grandes características dessa Era. A ânsia pela ligação com o divino, as punições religiosas (sacrifícios, abstinências), grandes navegações, leis trabalhistas, substâncias tóxicas (venenos, drogas, alimentos industrializados) são outros marcos da era pisciana.

01-11-2015-03

A cada período de mais ou menos 10.000, o nosso sistema solar entra cada vez mais, e permanece por 2.000 e poucos anos no Cinturão de Fótons, bem como todos os astros do nosso sistema solar e dos outros sistemas com seus respectivos sóis. Há muitos números científicos comprovando o Cinturão de Fótons e esses períodos de transições dos astros, e os astrônomos Freidrich Wilhelm Bessel, Paul Otto Hesse, José Comas Solá e Edmund Halley foram os primeiros astrônomos citados nas literaturas astronômicas a relatar esses acontecimentos.
Essa andada do sistema até o Cinturão começou na década de 1960 – ou até antes. Mas nessa época, o movimento “paz e amor” (“flower power”) deixou os seres humanos bastante pensativos. Na década de 1980, estávamos cada vez mais entrando nessa névoa de luz das plêiades, quase metade do planeta já estava imerso. Há muitas datas sobre a entrada da Era de Aquário: 1792, 1962, 2012… Acho que só vamos chegar a uma conclusão exata daqui há alguns anos, pois essas datas dependem de vários pontos de vistas. Mas, o que importa, é que nosso planeta agora está aderido ao Cinturão, e percebemos as mudanças! A Era de Aquário, de acordo com as escrituras astrológicas, tem umas características interessantes: Tecnologia, quebra de tradições, o grito de “Chega”! O fim da Era de Peixes já rascunhava essas características. É o momento para resgatarmos nossa felicidade, união com todos os seres e evolução. É preciso esquecer o drama pisciano, e reconhecermo-nos como pequenos deuses co-criadores de nosso destino.
As mudanças as quais todo esse processo de luz aquariana ocasiona são extremamente significativas. Muito mais luz, e consequentemente uma aceleração com a qual o planeta percorre o espaço. Mudanças na percepção do tempo e do espaço. Sabe aquela sensação de que o tempo passa mais rápido? Pois é. Essa e mais outras percepções são bem notadas agora. A “matrix” em que vivemos passa a ser “descoberta”. As pessoas estão caindo em si, se tocando de que há algo estranho no comando do nosso planeta.
É notável que de, uns tempinhos pra cá, as pessoas começaram a revolucionar, saíram às ruas (atitude boa ou ruim não sei, mas foi uma mudança), deram cara a tapa, estão falando o que pensam, expondo suas verdades e suas vontades. Os seres humanos estão se abrindo a conhecimentos da Nova Era; estão querendo entender o cosmos, buscando a vida no campo e uma relação harmônica com a natureza. E por isso mesmo, vemos uma evolução, e ao mesmo tempo um certo conflito. Pessoas revoltadas, surtos, brigas… Afinal, trata-se de uma energia nova, algo que não temos conhecimento experimental ainda.
Na imagem lá em cima, o sol está ali no escuro, e o percurso a ser feito é ir à área luminosa, ao Cinturão de Fótons. Percebem que, literalmente entramos numa Era de Luz? Literalmente e alegoricamente? É muita luz de uma vez só! E isso é totalmente novo pra nós, e maravilhoso!
Muitas mudanças positivas ainda estão para ocorrer, a níveis inimagináveis (nós acabamos de entrar na Luz!). Mas esse início de transformação a qual estamos passando, teve uma ajuda muito grande. Junto a essa luz imensa, seres com outros pensamentos, sentimentos e um modo diferente de pensar começaram a habitar a Terra a partir do momento em que Ela passou a entrar no Cinturão de Fótons. Seres com a energia mais próxima da Era da Luz. Eles estão aqui – sabendo disso ou não – a serviço da evolução do planeta. São os chamados seres Índigos e os Cristais. Mas, isso é assunto para um próximo post. Por enquanto, é hora de perceber a Nova Era da qual fazemos parte agora, e esse imenso clarão de luz ao qual estamos imersos, seguindo o que nosso coração está pronto a fazer. Somos seres iluminados, sempre fomos! Mas, agora, podemos ter a clara percepção disso! E a luz é invencível!
Até! ^^

Referências:
http://www.curaeascensao.com.br/ascensao_arquivos/ascensao110.html
http://www.novaera-alvorecer.net/cinturao_de_fotons.htm

http://lifestyle.sapo.pt/astral/astrologia/historia-da-astrologia/artigos/uma-breve-viagem-atraves-das-eras-astrologicas?artigo-completo=sim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *