Arquivos mensais: agosto 2017

Deserto

O Deserto tem seus encantos. É quente, e, ao mesmo tempo, tem uma paisagem tranquila, que passa a ideia de calmaria. Isso é muito intrigante. As cores quentes nos transmitem ação, rapidez, agilidade. Mas, no horizonte desértico, essas cores tornam-se amenas. O Sol e as nuances amarelo-alaranjadas do céu, acabam meio que ‘falando’ assim: “É tempo de agir, de ir à luta, mas com calma, com sabedoria e com tempo pra refletir”.

Continue reading

Releitura

Releituras são bem interessantes. Elas dão a oportunidade para um artista ou estudante aprender a manusear materiais de pintura, aprender sobre o estilo de um artista específico, ou mesmo obter um ensinamento sobre o traçado e o volume da figura humana ou alguma outra forma sob o ponto de vista ‘não original’. Pode-se também, pela releitura, formar-se uma opinião contrária à ideia que o artista havia programado, gerando reflexões intensas e prazerosas de se discutirem. E releituras podem não ocorrer apenas nas artes, mas em qualquer situação da vida.

Releitura de “Descanso do Tropeiro”
Camila Lagoeiro| 20x30cm | Guache sobre tela | 2004

Essa é uma releitura da pintura “Descanso do Tropeiro”, de Carlos de Servi. Primeira pintura voltada para o estilo realista que reproduzi, numa época onde eu nem sabia que seria possível produzir assim; apenas sentia que daria certo. Sempre tive a intuição muito aflorada pra pintura e para o desenho, então, valorizo muito isso: o que eu sinto, eu vou atrás.

Eu tinha 16 anos, e ainda não havia estudado nenhum tipo de pintura de anatomia humana. Meu estilo estava se formando, por mim mesma. Aprendi a pintar sozinha, e essa releitura é bastante significativa. A energia que coloquei nela, é a de que “tudo é possível quando se sente”, quando se relaxa… quando se faz como o tropeiro da pintura: para um pouco, descansa e apenas observa o horizonte. Espera o que ele trará. E não é preguiça não, é saber respeitar o tempo das coisas, meditar em meio ao caos. Parar para refletir, refazer alguma coisa já feita, e aprender com alguma experiência vivida.

E na releitura é assim: aprende-se com a experiência de alguém experiente. Tipo um irmão mais velho te ensinando. É respeitar o momento, reconhecer que é hora de recriar o que já existe e aprender com um mestre. Ou, apenas é o ensejo de comunicar uma ideia já comunicada, mas de modo diferente, contemporâneo, lúdico… Reler é viver sem pressão.

Até! ^^