Arquivos mensais: maio 2016

Chamas Gêmeas (Parte 2: A Criação)

15-05-2016-01

“Acho que não precisamos mais pensar”
Camila Lagoeiro | Acrílica sobre tela | 30x40cm | 2010

Se observarmos bem, tudo o que vemos, ouvimos, sentimos, tudo o que presenciamos é muito valioso e sagrado. A vida. O fato de estarmos aqui habitando um mundo cheio de situações diversas, o contato com outras pessoas, os nossos sonhos… até os nossos problemas… Tudo é uma criação que nos permite sermos felizes e evoluir. Coloque-se na posição de ‘observador’ ao invés de ‘ator’ da sua existência, e verá o quanto tudo isso é belo. Aprendemos na escola que o mundo originou-se do big-bang; e que nós seres humanos surgimos dos processos de fecundação, genética e questões afins. Mas, será que tudo foi e é um acontecimento puramente físico e científico?  Como fica a questão de nossas almas?

Lendo sobre questões que envolvem a metafísica, a espiritualidade, a física quântica, vemos que a realidade material por si não se sustenta. E vemos também o quanto o mundo científico e o espiritual estão ligados. Futuramente, mais estudos envolvendo a ciência e a espiritualidade serão divulgados de forma mais abrangente. Mas o que temos hoje é suficiente para sentirmos que somos mais do que simples corpos físicos habitando um planeta.

Quando a Terra foi criada, o Criador dos Mundos deu ordem para se dessa a vida! Então, em dimensões superiores às quais vivemos, foram geradas pelos ‘Ajudantes do Criador’ centelhas espirituais. Eram consciências primitivas, esferas formadas apenas por energia.  Enquanto elas descansavam para se adaptarem ao início da vida, o ‘Ajudantes do Criador’ projetavam raios de luz e muito amor, criando chamas trinas.  Depois, essas chamas foram revestidas com luz universal, e transformaram-se em copos eletrônicos.

Cada uma daquelas centelhas espirituais foram colocadas dentro destes corpos eletrônicos, dando origem assim um corpo de fogo branco. Agora, essa chama branca é consciente, inteligente e tem vida sutil pronta. É formada de pura energia; contém os aspectos energéticos feminino e masculino: é a alma.

Cada chama branca tem livre-arbítrio; ela pode escolher permanecer na vida sutil junto de seus Criadores e do Criador, ou descer à vida física e experienciar a materialidade. Assim, quando uma chama escolhe descer, ela se polariza, projetando raios gêmeos: seus aspectos feminino e masculino se separam. Agora é um ser dividido, como se fossem dois seres – porém, da mesma alma. Deste modo, temos os complementos divinos, ou, as chamas gêmeas!

A chama branca se separa em chamas gêmeas feminina e masculina, a fim de, quando chegarem à Terra, passarem a experimentar a vida de uma forma intensa, expressando juntas o amor que as une. Além disso, em corpos separados, o aspecto masculino e o feminino podem ver um ao outro, enxergarem-se como espelhos divinos, e notarem o quanto um está no outro. São o mesmo, porém divididos fisicamente, e, assim é possível sentir também o quanto a dualidade pode ser transcendida. É um amor muito grande que existe entre os pares de chamas gêmeas; é o amor inseparável e incondicional que está desde o início da criação de suas almas. Além disso, só um complemento divino para cada chama gêmea. Por isso a ligação entre chamas gêmeas é tão intensa.

Estar em corpos separados é muito diferente de estar no mesmo ‘corpo’. Na vida sutil, as chamas sentem muito mais facilmente e constantemente a ligação com o Criador e com os Seres de luz. Aqui na Terra é já é mais difícil sentirmos a ligação todo o tempo: a terceira dimensão na qual vivemos é densa, tem aspectos negativos e distrações que nos fazem sentir distantes da Fonte. Assim, quando as chamas gêmeas estão juntas, é como se tivessem uma impressão do que é estar ligada ao Criador novamente.

O plano proposto pelo Criador é que as chamas gêmeas permanecessem juntas na Terra, ao longo de toda sua existência. Mas, não é o que acontece. Nem todas as pessoas estão com suas chamas gêmeas; nem todos estão felizes no amor. Algumas pessoas sentem um vazio enorme no coração, e muitas não sentem um amor incondicional por seus parceiros. E por que as chamas gêmeas se separam aqui?

Bom, isso é assunto para a parte 3 da série. Preparem-se, muitos aprendizados e coisas interessantes estão por vir. Até!

A palavra “Trabalho”

01-05-2016-01

Detalhe de “Imigração do Japão ao Brasil”.
Camila Lagoeiro, técnica mista, 2008.

Quando se fala em trabalho, o que logo vem à cabeça são as atividades que fazemos durante o dia em troca de nosso ganha-pão e nosso aperfeiçoamento pessoal. A outras pessoas, as primeiras coisas que podem vir à mente em relação a essa palavra são cobranças, horários definidos, o ato de fazer o que não se gosta…

Continue reading